PortugalPride.org In EnglishIn EnglishEn EspañolEn Español
 Índice :: el gê bê tê 2004 :: o que diz o novo Código de Trabalho?

clique aqui para versão pronta a imprimirNão Diga que Não Vê
o que diz o novo Código de Trabalho?
Qualquer tratamento diferente em função da orientação sexual, seja quanto a critérios de selecção, condições de contratação, acesso a formação profissional, ou promoções a todos os níveis hierárquicos, passa agora a constituir uma contra-ordenação muito grave (e qualquer condenação judicial pode aliás ser publicitada).A transposição da Directiva Europeia 2000/78/CE resultou assim nesta proibição explícita da discriminação com base na orientação sexual – mais um passo no caminho para a igualdade.


Artigo 22º
Direito à igualdade no acesso ao emprego e no trabalho

1. Todos os trabalhadores têm direito à igualdade de oportunidades e de tratamento no que se refere ao acesso ao emprego, à formação e promoção profissionais e às condições de trabalho.
2. Nenhum trabalhador ou candidato a emprego pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito, ou isento de qualquer dever em razão, nomeadamente, de ascendência, idade, sexo, orientação sexual, estado civil, situação familiar, património genético, capacidade de trabalho reduzida, deficiência, doença crónica, nacionalidade, origem étnica, religião, convicções políticas ou ideológicas e filiação sindical.

Artigo 23º
Proibição de discriminação

1. O empregador não pode praticar qualquer discriminação, directa ou indirecta, baseada, nomeadamente, na ascendência, idade, sexo, orientação sexual, estado civil, situação familiar, património genético, capacidade de trabalho reduzida, deficiência, doença crónica, nacionalidade, origem étnica, religião, convicções políticas ou ideológicas e filiação sindical.
2. Não constitui discriminação o comportamento baseado num dos factores indicados no nº anterior, sempre que, em virtude da natureza das actividades profissionais em causa ou do contexto da sua execução, esse factor constitua um requisito justificável e determinante para o exercício da actividade profissional, devendo o objectivo ser legítimo e o requisito proporcional.
3. Cabe a quem alegar a discriminação fundamentá-la, indicando o trabalhador ou trabalhadores em relação aos quais se considera discriminado, incumbindo ao empregador provar que as diferenças de condições de trabalho não assentam em nenhum dos factores indicados no nº 1.

Artigo 24º
Assédio

1. Constitui discriminação o assédio a candidato a emprego e a trabalhador.
2. Entende-se por assédio todo o comportamento indesejado relacionado com um dos factores indicados no nº1 do artigo anterior, praticado aquando do acesso ao emprego, ou no próprio emprego, trabalho ou formação profissional, com o objectivo ou o efeito de afectar a dignidade da pessoa, ou criar um ambiente intimidativo, hostil, degradante, humilhante ou desestabilizador.
3. Constitui, em especial, assédio, todo o comportamento indesejado de carácter sexual, sob forma verbal, não verbal ou física, com o objectivo ou o efeito referido no número anterior.


> Seguinte...


índice | Editorial > O 13 já não é um 31 | Manifesto 2004 | 2004: a homofobia revista e comentada | a discriminação invisível | casamento para tod@s | “Argumentos” contra o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo | de que falamos quando falamos de homoparentalidade? | transexuais e outr@s aventureir@s do Género | [transdicionário] | o que diz o novo Código de Trabalho? | idade de consentimento igual para tod@s | educação sexual sem excepções | sabia que... | calendário 2004 | ©2004 el gêbêtê
Site realizado por PortugalGay.PT. email: info@portugalpride.org.
©2001-2019 PortugalGay.PT.